O NEGÓCIO DE VIAGENS É AGORA UM NEGÓCIO DE LAZER?

POSTED ON 27/06/2021  |  Portal Panrotas

O mercado de turismo vive transformações profundas e a aceleração de tendências. E uma das coisas que mudou radicalmente foi o turismo de negócios, trazendo o lazer para o foco do setor pelo menos no médio prazo. A Accenture elaborou o relatório Negócios ou Lazer? Esse texto mostra porque inspirar e capturar o viajante de lazer é uma nova prioridade para as empresas de viagens. Com base nesse estudo, escrito por Miguel Flecha, Managing Director de Turismo da Accenture na Europa, trago algumas reflexões importantes.

A afirmação o “negócio de viagens é agora um negócio de lazer e um negócio menor” pode parecer exagerada e até assustadora, já que o foco no turismo de lazer sempre foi secundário em grande parte da indústria de viagens. De acordo com o autor existe uma mudança muito forte e imediata que é necessária para garantir a sobrevivência dos negócios. Se antes as estratégias das empresas estavam acostumadas a atender um cliente frequente, com reservas em cima da hora, e um perfil conhecido, a partir de agora muita coisa muda na captura do cliente de lazer. Penso também que aqueles com histórico de foco no lazer terão que buscar entender um novo tipo de viajante, com desejos e necessidades diferentes.

FOCO NO CLIENTE DE LAZER

Tudo, ou a maioria dos serviços, estava preparado e pensado para o cliente de negócios, e agora? Na verdade, o marketing das empresas terá que começar numa etapa bem anterior da jornada de compra para chegar ao viajante de lazer. Com a motivação da viagem radicalmente diferente, inspirar as pessoas virou questão de sobrevivência. Além de serem comportamentos e formas de compra totalmente diferentes, de precisar alcançar o viajante bem antes do período da viagem, temos que considerar que os próprios clientes a lazer também mudaram seus hábitos e vão exigir um processo de conhecimento mais personalizado para chegarmos até eles.

Voltando então às empresas, existem ainda outros temas para a adaptação além dos protocolos. Começando por entregar a própria promessa do protocolo, da experiência “sem toque” em todas as etapas das viagens. Recentemente tive uma experiência num hotel de cidade em que existe mais papel e mais demora no check-in do que antes. Menos pessoal e demanda imprevisível, como atender bem? Quais são as tecnologias que podem ajudar as empresas a serem mais rápidas e ajudarem o cliente? Vamos lembrar que os hábitos de compra on-line nos últimos dois anos foram acelerados, e as pessoas estão habituadas a sistemas rápidos e atendimento personalizado.

Todas as decisões terão que girar em torno de dados para possibilitar uma personalização e maior conhecimento do potencial cliente. Os bancos de dados das empresas, as análises de todo tipo de informação em tempo real são condições para direcionar recursos e ganhar clientes. A produção de conteúdo, além de ser chave, deverá incluir mídia digital personalizada e em escala para ganhar clientes num mercado de demanda menor. Junta-se aqui o tema da credibilidade, dos compromissos que a marca assumiu com seus clientes. Por exemplo, a flexibilidade de cancelamentos e alterações será mantida depois que os fluxos de clientes voltarem a melhorar? Ou por acaso, já imaginou o estrago que um comentário negativo pode trazer para sua marca em segundos, nas redes sociais?

Destinos e empresas de turismo que já tinham foco no lazer podem estar mais aptas a esse novo cenário, mesmo que com muitos desafios pela frente. Outras empresas encontram no novo cenário uma grande mudança no modelo de negócios, e essa adaptação necessita ser rápida e profunda em muitos setores. A volta das viagens a negócios e eventos apontam no cenário, provavelmente em moldes que ainda imaginamos e precisaremos viver para compreender como serão. Por enquanto, foco no lazer, foco no doméstico e muita inspiração para que as pessoas viajem. Qual tem sido a experiência em seu negócio?

____________________

JEANINE PIRES

Professora e empresária, tem 19 anos de experiência em turismo e eventos. Diretora da Pires & Associados e da MATCHER Travel Business.Suas principais atividades são a realização de Planos de Marketing de Destinos Turísticos e palestras no Brasil e no exterior. Presidiu a EMBRATUR de 2006 a 2010, onde também foi Diretora de Turismo de Negócios e Eventos. Liderou o trabalho de promoção do Brasil como destino turístico no exterior, os programas de captação de eventos internacionais e a agenda de promoção do Brasil de 2003 a 2010. Participou da elaboração do Plano Aquarela – Marketing Turístico Internacional do Brasil em 2005 e também coordenou sua versão para 2020. Nos Convention & Visitors Bureaux de Maceió e Recife como diretora executiva, desenvolveu os programas de marketing de lazer e eventos para aquelas cidades entre 1997 a 2002. Esse blog reflete opiniões pessoais e não tem qualquer vínculo institucional

Tags:
No Comments

Post a Comment